Desde já peço ajuda aos filósofos, psicólogos, sociólogos, teólogos e quem quiser deixar seu comentário que o faça.

Muitas perguntas estão em minha mente e tento buscar respostas e sei que são questões que não se tratam simplesmente de um binário, certo ou errado. Perguntas relacionadas aos fatos sobre a Copa do Mundo, outras com o que aconteceu na Boate Kiss em Porto Alegre, outras vinculadas aos empreendedores de startups e suas inovações, na área médica e assim por diante.

Aprendi na infância de que errar é humano, portanto, para termos uma vida mais tranquila é necessário o perdão, mas será que há limites? Que confusão é esta entre perdão e impunidade?  Alguém pode dizer que existem diferentes tipos de erro e concordo com esta observação, a começar quando o erro só atinge quem errou e quando o erro atinge outras pessoas. Erros cometidos por desconhecimento devem ser tratados da mesma forma que o erro por negligência? Não vamos nem comentar a psicopatia.

Nas organizações dizem que as pessoas tem medo de inovar porque a inovação pode gerar erros e estas pessoas deixam de correr riscos porque têm medo de serem punidas.

Receba conteúdos exclusivos do Sebrae direto no seu email.

 

A busca pelo erro zero, pelo zero desperdício na tentativa de diminuir os custos de   produção e as perdas destes desperdícios devem sim ser alvo da melhoria dos processos.  Mas cuidados com as estatísticas. Imaginem a empresa que aceita um nível de qualidade de 99% em seus processos. Aparentemente é uma empresa de excelente qualidade, já que a perfeição é quase uma utopia. Mas imagine se esta empresa é ligada a saúde, ou seja, de cada 100 pessoas atendidas ocorre um problema com uma. Eu não gostaria de ser esta pessoa que foi atingida pelo erro da empresa.

Porque será que quando eu cometo algum erro a minha expectativa é de que haja tolerância por parte dos outros, mas quando os outros erram para comigo a minha tolerância tende a zero?

Se alguém comentar que estou precisando de terapia, agradeço desde já, mas neste momento conto com seus comentários, quem sabe reviver as discussões de Acrópoles de forma um pouco mais moderna e abrangente.

 

Este conteúdo foi útil para você?


Este conteúdo foi útil para você?

Ei!? O que você achou deste conteúdo?
Compartilhe sua experiência

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Todos os campos são obrigatórios.




Privacy Preference Center

Diminuir ou aumentar fonte
Contrast