2.1.3 Informações de qualidade e embasamento científico

Como resposta ao período da infoxicação e das fake news, as empresas precisam cuidar cada vez mais da curadoria de informações compartilhadas – mesmo quando estas informações são produzidas por elas mesmas. Por enquanto, a desconfiança do consumidor segue crescendo, com o público em alerta e disposto a caçar os nomes das pessoas ou instituições que divulgam informações gravemente falsas. Para as empresas, é um momento delicado que exige atenção redobrada. Credibilidade é uma qualidade que não pode estar em jogo.


Insights

O que você pode fazer:

  • Ao compartilhar informações, verifique antes se são verdadeiras. Se você está na dúvida, é possível ainda visitar sites de checagem de fake news, como por exemplo o FakeCheck e a Agência Lupa;
  • Faça suas próprias pesquisas (ou delegue isto à sua equipe), utilizando artigos científicos ou autores especializados para embasar o conteúdo que você está criando (ou mesmo decisões importantes para a sua empresa). Não se esqueça de sempre citar todas as fontes;
  • Seja transparente, mostre o processo do seu produto e compartilhe com o público. Além demonstrar a qualidade que o trabalho que tem ao confeccionar seu produto/serviço – e provar seu valor – você ainda incentiva que os clientes confiem em você;
  • Evite storytellings ou publicidades enganosas. Estas estratégias podem parecer dar certo a princípio, mas a longo prazo geram um efeito reverso.

Vale a pena pesquisar sobre:


Dados

No estudo “Fake news, filter bubbles, post-truth and trust (Notícias falsas, filtro de bolhas, pós-verdade e verdade)” feito pelo Instituto Mundial de Pesquisa (IPSOS), 62% dos entrevistados do Brasil admitiram ter acreditado em notícias falsas, enquanto a  média mundial é de 48%.

Fonte: TJPR; Fonte mencionada: IPSOS