Quem pensou no poema e “Agora José?” de Carlos Drumond de Andrade, acertou.

Quem pensou em sucessão familiar também acertou.

A sua empresa é familiar? O que é uma empresa familiar?

Observe se a sua empresa tem estas características.

  • Sucessão do Poder decisório – O poder decisório muda somente para os herdeiros do fundador.
  • Temporalidade – Duas ou mais gerações estão no poder decisório.

Portanto, se você é o fundador da empresa, mas não têm ninguém da família que vai gerir os negócios, então esta empresa não é familiar.

Mas o tempo não para e você terá que tomar uma decisão. Quem vai sucedê-lo? Quando levantar esta questão?

Esta situação deve ser tratada com muito tempo de antecedência, talvez uma geração inteira, porque não é uma questão unilateral. Não depende só do fundador, depende também dos sucessores.

Perguntas que o fundador tem que responder para si mesmo, tais como:

Quero que esta empresa dure quanto tempo? Se eu adoecer ou faltar quem assume? Seus sucessores têm o perfil, a vocação e o desejo de manterem os seus negócios?

Está preparado para ver a sua empresa seguir outros rumos que não sejam aqueles que você desejou?

Afinal, quando você for sucedido não faz mais sentido você querer interferir nos caminhos que os sucessores traçaram.

Uma coisa é certa se a resposta em relação ao tempo de duração da estiver relacionada somente ao tempo disponível, você não tem com o que se preocupar afinal depois que você parar voluntariamente ou involuntariamente a empresa desaparecerá. Porém, se a resposta for dar continuidade à empresa por tempo indeterminado, independente se for através de herdeiros ou de profissionais do mercado você tem de preparar a sua saída e a sua sucessão.

Receba conteúdos exclusivos do Sebrae direto no seu email.

 

Especialistas indicam que se a sucessão se der por herdeiros, na medida do possível o fundador leve em consideração algumas recomendações:

  • Capacitação profissional em outras empresas – Incentivar os herdeiros a conhecer outras experiências é fundamental, para ver os negócios de forma diferente.
  • Estágio nas diversas áreas da empresa – Os sucessores deverão conhecer o funcionamento das diversas áreas, para entender os processos e o próprio negócio da empresa antes de assumir papéis de staff.
  • Identificação de competências complementares – O fundador deve estar atento às necessidades de desenvolvimento de competências complementares de seus sucessores e estimula-los na busca por estes conhecimentos, habilidades e atitudes.
  • Formação de nova equipe – Assim como o empreendedor formou a sua equipe, deve proporcionar que os sucessores comecem a identificar quem serão aquelas pessoas que contribuirão com eles e darão sustentação em longo prazo.

 

Não espere ficar “velho“ para organizar o seu futuro. Aposentar-se faz parte do Envelhecer que faz parte do nosso ciclo Viver-Morrer, portanto não esqueça que além da sua empresa tem outro mundo, com uma porção de oportunidades. Desenvolva atividades que permitam no futuro pratica-las. Uma das formas é conhecer outros lugares, conhecer novas culturas, envolver-se em ações sociais e acima de tudo confie nas pessoas, confie nos jovens e em seus instintos.

A sucessão profissional numa empresa familiar é tão complexa quanto à de herdeiros, já que parte do ponto de vista de que a família não tem condições para dar continuidade na direção dos negócios, em função de não ter herdeiros em quantidade ou não tem herdeiros competentes, mas isto pode ser um assunto para um novo post.

Ler poesia, filosofia, ver filmes, também podem contribuir para responder a questão:

E agora José?

Este conteúdo foi útil para você?
Sim0
Não0

Este conteúdo foi útil para você?
Sim0
Não0

Ei!? O que você achou deste conteúdo?
Compartilhe sua experiência

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Todos os campos são obrigatórios.




Privacy Preference Center

Diminuir ou aumentar fonte
Contrast