Olá pessoal, acredito que todo mundo já deve ter ouvido esta expressão que dá título ao nosso post: “Não existe almoço grátis!”. Comenta-se que esta expressão surgiu na década de 30 quando bares americanos ofereciam almoço de graça, e o clientes só pagavam a bebida. Obviamente o custo do almoço estava embutido no preço da bebida e muitas vezes poderia no final das contas sair até mais do que se tivesse pago o almoço normalmente. Quando as pessoas perceberam que na verdade estavam pagando o almoço a conclusão de que nada é oferecido de realmente de graça foi imediata.

O economista Milton Friedman a expressão em 1975 utilizando-a como título para um de seus livros, onde expandia os conceitos para outras áreas de economia.

Tenho observado que existem muitas franqueadoras oferecendo “almoço grátis” e muita gente caindo nesta história. Cuidado! Não seja você o próximo.

O que significa isto quando estamos falando de franquias?

Significa que na ora de oferecer o negócio, alguns franqueadores não apresentam a real necessidade de capital de giro, fazem estimativas super otimistas em relação as vendas e consequentemente apresentam projeções de retorno de investimento muito mais atraentes do que são na realidade.

Outros afirmam que não cobram royalties e taxas de publicidade, mas como estes valores são necessários para a manutenção e evolução do negócio, obviamente estão embutidos no preço dos produtos e/ou serviços que o franqueado precisará adquirir do franqueador.

Estas informações distorcidas ou omitidas fazem com que alguns negócios pareçam muito melhores do que são, o que acaba gerando muitas vezes frustração, prejuízo e até disputas judiciais. Para evitar tudo isso seguem algumas dicas para a hora de escolher uma franquia.

1) Verifique se o franqueador tem pelo menos uma unidade própria.

Se não tem nenhuma unidade como pode afirmar com segurança e precisão o que está apresentando na sua proposta comercial?

Obs.: O ideal são duas unidades, assim além de verificar o desemprenho pode demonstrar a repetibilidade do modelo de negócio.

 

2) Solicite o plano de negócios da franquia, e análise a relação da situação do mercado com os dados apresentados no plano.

Por exemplo: Você conseguirá bons funcionários em sua cidade com os salários definidos no plano de negócios? O volume de vendas condiz com o tamanho do seu mercado? Os impostos e o retorno do investimento são contabilizados?

 

3) Analise a Circular de Oferta de Franquias cuidadosamente.

Receber este documento e não assinar nenhum contrato nem pagar nenhum valor em um período de dez dias é um direito assegurado na lei de franquias, para que o interessado na franquia possa analisar o documento friamente e não feche negócio por impulso. Utilize este direito.

 

4) Entre em contato com ex-franqueados para saber porque saíram do negócio.

Na COF devem existir, obrigatoriamente, os nomes dos franqueados que deixaram a rede nos últimos doze meses.

 

5) Por fim, visite franqueados novos e antigos para saber qual a percepção que eles têm da franqueadora.

Seguir estas orientações não garante o sucesso na compra de uma franquia, mas com certeza diminui, muito os riscos de estar investindo em um negócio que tenha poucas chances de dar certo.

As franquias podem ser excelentes oportunidades de investimento. Tenha calma e paciência na hora de analisar as propostas para que possa adquirir um negócio que seja lucrativo para você!

 

Até a próxima.

Receba conteúdos exclusivos do Sebrae direto no seu email.

 

Este conteúdo foi útil para você?
Sim0
Não0

Este conteúdo foi útil para você?
Sim0
Não0

Ei!? O que você achou deste conteúdo?
Compartilhe sua experiência

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Todos os campos são obrigatórios.




Privacy Preference Center

Diminuir ou aumentar fonte
Contrast