Temos ouvido ou lido muito o termo “Design Thinking” embora pareça mais um daqueles neologismos que vem e vão, como moda, é preciso dar o devido destaque ao tema. O nome “design” no cotidiano está muito associado ao visual estético dos produtos, entretanto, fundamentalmente o design no amplo sentido da disciplina tem a ver com promover o bem-estar na vida das pessoas. No entanto, o designer é um profissional que trabalha com um olhar clinico sobre as coisas, tem percepções e age sobre elas de maneira a conduzir a inovação, isso chamou a atenção de gestores, abrindo novos caminhos para a inovação empresarial.

Os problemas que afetam o bem-estar na vida das pessoas, principalmente nos aspectos do trabalho, lazer, relacionamentos, cultura são de natureza diversa, com isso o campo é vasto para o designer, ele investe esforços no mapeamento refinado para identificar os reais problemas, o faz abordando-os sob diversas perspectivas. Esse profissional do design, numa visão mais completa, enxergue nas experiências emocional, cognitiva e estética o problema que impede o sucesso pessoal com essas experiências e tudo isso faz com que sua tarefa seja identificar problemas e gerar soluções inovadoras.

Receba conteúdos exclusivos do Sebrae direto no seu email.

 

Todavia o designer não consegue identificar causas, consequências das dificuldades e problemas sozinhos, e para gerar as respostas mais assertivas, prioriza o trabalho colaborativo entre equipes multidisciplinares, trabalha em um processo de interações e aprendizados constantes. Isso faz com que esteja sempre experimentando novos caminhos e se propondo a novas alternativas: o erro gera aprendizado, já falei isso em outro post (Novas ideias, velhos medos!), e o aprendizado com os erros ajudam a traçar direções em busca de oportunidades para a inovação. Em suma, o design Thinking, o nome já diz tudo, se refere à forma como o designer faz sua interferência para obter inferências a partir do pensar e utilizar o raciocínio, pouco convencional no meio empresarial, para usar o pensamento abdutivo, ou seja, não achar a resposta exata, mas, sim de encontrar muitas probabilidades.

“Não se pode solucionar problemas com o mesmo tipo de pensamento que os criou: abduzir e desafiar as normas empresariais é a base do design Thinking. É pensando de maneira abdutiva que o designer constantemente desafia seus padrões, fazendo e desfazendo conjecturas, e transformando-as em oportunidades para a inovação. É essa habilidade, de se desvencilhar do pensamento lógico cartesiano, que faz com que o designer se mantenha ‘fora da caixa’. ”  (Fonte: Livro Design Thinking – Inovação em Negócios)

Embora pareça uma tarefa difícil pensar como os designers pensam, praticamente não existe nenhum truque, a proeza está em manter o pensamento ativo e criativo na sua área ou mercado de atuação ou profissão, conhecer e identificar os problemas que interferem deliberadamente na exploração de novas oportunidades, manter o pensamento firme e equilibrado na busca pela solução é outro ponto crítico de sucesso. O pensamento é a primeira etapa, depois visualize o que pensou e transforme-o em respostas, revista-se de uma boa dose de criatividade, permita a evolução do pensamento original numa nova solução inovadora, teste-a, coloque-a em prática… Para tudo isso não necessita nenhum talento excepcional, basta inspiração e transpiração somada ao atributo de mobilizar as pessoas. Não há nada mais atraente do que a motivação para inovação.

 

Este conteúdo foi útil para você?
Sim0
Não0

Este conteúdo foi útil para você?
Sim0
Não0

Ei!? O que você achou deste conteúdo?
Compartilhe sua experiência

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Todos os campos são obrigatórios.




Privacy Preference Center

Diminuir ou aumentar fonte
Contrast