Quando as exportações são maiores que as importações registra-se um superavit na balança, e quando as importações são maiores que as exportações registra-se um déficit. Normalmente, uma balança comercial deficitária implica uma balança corrente também ela deficitária, pois balança comercial é comumente a componente com maior peso na balança corrente. Contudo, o déficit comercial pode ser compensado com os superávits das restantes balanças correntes.

A balança comercial brasileira registrou em 2014 déficit de US$ 3,930 bilhões, o primeiro desde 2000. O resultado do ano passado também é o pior do comércio exterior brasileiro desde 1998, quando as compras para outros países superaram as vendas em US$ 6,623 bilhões.

O conjunto das importações feitas pelo Brasil em 2014 somou US$ 229 bilhões e as exportações totalizaram US$ 225,1 bilhões. As compras, portanto, superaram as vendas para o exterior em US$ 3,9 bilhões no ano passado.

Antes de 2014, a última vez que o país registrou déficit no comércio exterior foi em 2000, quando as importações superaram as exportações em US$ 731,7 milhões. Em 2013, o Brasil havia registrado superávit (exportações superiores às importações) de US$ 2,384 bilhões. Apesar disso, o resultado já era o pior dos últimos 13 anos.

O secretário de Comércio Exterior, Daniel Godinho, destacou três fatores que contribuíram para o déficit em 2014: queda no preço das commodities maior que a esperada, principalmente do minério de ferro; crise econômica na Argentina, país que é um dos nossos principais compradores; e os gastos do Brasil com importação de combustíveis, que apresentaram melhora no ano passado, mas ainda são considerados muito elevados.

Receba conteúdos exclusivos do Sebrae direto no seu email.

 

O valor das exportações brasileiras em 2014, de US$ 225,1 bilhões, é o mais baixo desde 2010, quando foi vendido ao exterior um total de US$ 201,9 bilhões. Em 2013, o país exportou US$ 242 bilhões.

O secretário justificou que “A Argentina está oficialmente em recessão e isso atingiu muito a economia brasileira”! Essa situação fez o país vizinho perder para os EUA, em 2014, a posição de principal destino de produtos manufaturados brasileiros, que ocupava desde 2009.

As exportações de manufaturados para os EUA no ano passado atingiram US$ 13,7 bilhões. O total desses produtos vendido para a Argentina chegou a US$ 12,8 bilhões.

De acordo com Godinho, dos 15 países que são os principais mercados para o Brasil, 10 tiveram queda na demanda por produtos no ano passado.

Já as importações, que totalizaram US$ 229 bilhões em 2014, também caíram e são as menores desde 2012 (US$ 223,1 bilhões). Em 2013, as importações somaram US$ 239,6 bilhões.

Então pessoal…o que nos aguarda em 2015????

Este conteúdo foi útil para você?
Sim0
Não0

Este conteúdo foi útil para você?
Sim0
Não0

Ei!? O que você achou deste conteúdo?
Compartilhe sua experiência

O seu endereço de e-mail não será publicado.
Todos os campos são obrigatórios.




Privacy Preference Center

Diminuir ou aumentar fonte
Contrast